2011-06-28

A HABITAÇÃO TRADICIONAL ANGOLANA

Saindo em defesa da habitação tradicional Angolana e desde já criticando os indíviduos, naturalmente ligados à construção civil e com objectivos puramente comerciais e sobretudo porque na ânsia de comercializar " o seu produto", tecem teorias negativas sobre todos os outros materiais que lhes fazem concorrência. Do ponto de vista da ética comercial, são condenadas estas atitudes, porque para além de fomentarem a ignorância, acabam só por favorecer monetáriamente os seus próprios " bolsos".Geram assim preconceitos que não trazem vantagens directas de ordem nenhuma às populações que têm baixos recursos financeiros e acabam por afectar a economia no global, por priscindir da matéria prima que as pessoas têm ao seu redor e que proporcionam uma resposta mais efectiva e ecológica e sem dúvida nenhuma mais barata.
A história faz-nos saber que um dos mais antigos materiais de construção, o tijolo de adobe, é considerado um dos antecedentes históricos do tijolo de barro, sendo o seu processo construtivo uma forma rudimentar de alvenaria. Adobes são tijolos de terra crua, água e palha (capim) ou outras fibras naturais, moldados em formas por processo artesanal ou semi-industrial.
Tal como nos é descrito na Bíblia, no livro do Êxodo, os tijolos de adobe eram utilizados não só pelas técnicas cotidianas de construção, mas também na edificação de monumentos, amplamente utilizado nas civilizações do Crescente Fértil, em especial no Antigo Egipto e Mesoptâmia.
O adobe foi utilizado em diversas partes do mundo, especialmente nas regiões quentes e secas, e o advento da industrialização no século XIX, fez com que as técnicas em arquitectura de terra, fossem sendo abandonadas. Felizmente existe um novo olhar sobre a arquitectura vernacular uma vez que esta se mostra ecológica e sustentável, por não acarretar desmatamento e emissão de gás carbónico na atmosfera. Desmistifique-se aqui também o preconceito da não resistência, durabilidade daquele produto, pois sabemos que é um material resistente e o interior das habitações são mais frescos. Em regiões de clima quente e seco o calor intenso durante o dia e a sensível queda de temperatura à noite são minimizadas pela inèrcia térmica que o adobe proporciona.


Cito a antiga cidadela de Arg-Bam, considerada Património Mundial pela Unesco, é a maior construção em adobe do mundo e foi construída em 500 A.C. e habitada até 1850. Uma prova insofismável da durabilidade do material que aqui se defende e que só um terramoto em 2003 a destruiu inteiramente.

SABER FAZER

As construções de adobe devem ser executadas sobre fundações de pedra comum, cerca de 60 cm acima do solo, evita-se assim o contacto com a humidade ascendente (infiltração), que degrada o adobe. Importante também a construção de coberturas com beirais para proteção das paredes, contra as águas das chuvas.Para maior durabilidade as paredes devem ser revestidas.
Recomenda-se a construção de adobe no período de seca, para não ser exposto à chuva durante o processo de cura.

Vantagens do uso de adobe:
        ..Baixo custo
        ..Conforto térmico
        ..Uso de material regional
        ..Pode ser preparado no próprio local da construção
        ..Rapidez na preparação dos tijolos
        ..Sustentável

PREPARAÇÃO

A preparação do adobe é feita em solo argiloso. Faz-se um buraco perto do local da obra onde há solo apropriado, colocando-se àgua. Depois amassa-se com os pés até sentir que tem boa liga. O barro é posto em formas de madeira com dimensões (que podem variar) 40x20x15. A forma deve ser molhada antes de se colocar a argila. Depois realiza-se o processo de secura por dez dias, virando o adobe a cada dois dias.
Para testar a resistência coloca-se dois adobes afastados em cerca de 30 cm e um terceiro em cima de ambos. se não houver rachaduras, significa que o adobe possui boa qualidade.
Tal como todas as coisas os cuidados de preparação do adobe requer boa técnica e atenção para evitar a sua degradação.


Bloco de terra comprimida
O bloco de terra comprimida (BTC) ou tijolo de solo-cimento é um tijolo composto por solo (areia argilosa), água, um pouco de cimento e comprimido em prensas mecânicas. Similar ao adobe, diferencia-se pela forma de produção e composição.
Os tijolos de solo-cimento em geral não requerem massa de assentamento, consomem menos ferro e concreto nas vergas, cintas e grautes e dispensam o uso de madeira, estribos e arame para construção de vigas e pilares para apoio da laje.
Uma das tecnologias construtivas ecológicas mais difundidas, o BTC também é conhecido como tijolo ecológico, devido ao reduzido uso de cimento e por dispensar a queima de tijolos.

1 comentário:

Mirna disse...

É bonito se você pode ajudar a fazer algo pela natureza, porque eu acho que nos sentimos bem fazendo esse tipo de coisa esse ano eu vou dar uma palestra sobre a natureza em Buenos Aires se eu conseguir um apartamentos em buenos aires